Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Sabado, 20 de Julho de 2024
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Saúde

Saiba quando é preciso levar as crianças ao pronto-socorro

Gerente médico do Hospital João XXIII mostra porque não levar os pequenos a uma unidade de urgência em determinados casos

Marcus Macedo
Por Marcus Macedo
/ 73 acessos
Saiba quando é preciso levar as crianças ao pronto-socorro
Freepik
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Muitos pais e responsáveis levam crianças a emergências hospitalares por questões menores como febre, tosse, diarreia, pequenos machucados e enjoos. Estas situações, geralmente não graves, acabam expondo as crianças a um ambiente hospitalar com riscos de infecções.

As urgências abertas 24 horas e a expectativa de atendimento rápido são atrativos, mas muitas vezes a espera é longa, pois casos graves têm prioridade.

Rodrigo Muzzi, gerente médico do Hospital João XXIII e cirurgião geral, enfatiza que tratar a criança em casa para problemas menores evita exposição a infecções e ajuda a desafogar os serviços de emergência. Ele também alerta para o impacto emocional em crianças frequentemente levadas ao pronto-socorro, podendo gerar medo e aversão ao ambiente hospitalar.

Leia Também:

Para casos menos urgentes, unidades de pronto atendimento (UPA) são alternativas. Hospitais devem ser reservados para situações graves.

Muzzi recomenda consultar o pediatra regularmente e acioná-lo em dúvidas sobre a necessidade de emergência.

Sobre quando levar a criança ao pronto-socorro, Muzzi orienta:

  • Febre: Se for alta e persistir por três dias ou se a criança permanecer apática mesmo com a febre baixando. O uso de antitérmicos é geralmente eficaz.
  • Desidratação: Sinais como lábios e língua secos, urina escura e olhos fundos, especialmente se acompanhados de vômitos, indicam necessidade de atendimento de emergência.
  • Quedas e ferimentos: Depende da gravidade. Se houver sonolência, vômitos, dor de cabeça, abatimento ou fraturas após a queda, procure atendimento.
  • Problemas respiratórios: Ofegância ou fadiga excessiva em atividades cotidianas podem indicar doenças respiratórias graves.
  • Intoxicação: Leve a criança imediatamente à emergência sem induzir vômitos e tente fornecer informações sobre o produto ingerido.
FONTE/CRÉDITOS: FHEMIG - Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais
Comentários:
Marcus Macedo

Publicado por:

Marcus Macedo

Saiba Mais
rcwtv
rcwtv

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )