Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Domingo, 03 de Marco de 2024
rcwtv
rcwtv

Marketing Digital

Jornalista, você sabe identificar uma fake news?

Quais são as principais dicas de como identificar?

A Notícia em Primeira Mão .
Por A Notícia em Primeira Mão .
Jornalista, você sabe identificar uma fake news?
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Material produzido com base em palestra sobre fake news desenvolvida por Daiane de Souza (0007147/SC), que ocorreu nesta sexta-feira, das 13h-14h. 

As eleições presidenciais de 2018 no Brasil marcaram um período intenso de polarização política, que foi amplamente exacerbada pelo aumento significativo na disseminação de fake news. 

Este fenômeno não foi exclusivo ao Brasil, mas o contexto eleitoral brasileiro proporcionou um terreno fértil para a proliferação de notícias falsas, com o uso estratégico das redes sociais agindo como um catalisador. 

Publicidade

Leia Também:

A facilidade de compartilhamento de informações na internet e o alcance amplificado pelas plataformas digitais permitiram que conteúdos enganosos circulassem com rapidez, atingindo grandes massas de eleitores. 

Estes conteúdos frequentemente possuíam caráter sensacionalista ou alarmista, visando manipular a opinião pública, desacreditar adversários ou influenciar indevidamente o processo eleitoral.

As consequências das fake news são profundamente nocivas à democracia e ao tecido social. Primeiramente, elas podem comprometer a integridade do processo eleitoral, influenciando a decisão de votos com base em informações falsas ou distorcidas. 

Além disso, contribuem para a erosão da confiança nas instituições democráticas e nos meios de comunicação legítimos, alimentando a desinformação e o ceticismo entre os cidadãos. As notícias falsas também exacerbam a polarização, fomentando conflitos e divisões dentro da sociedade ao amplificar discursos de ódio, preconceito e intolerância.

Outra consequência direta é o enfraquecimento do debate público saudável. Quando a verdadeira discussão sobre políticas públicas e propostas é substituída por ataques baseados em informações falsas, o eleitorado é privado da oportunidade de fazer escolhas informadas. Dessa forma, compromete o princípio democrático de um eleitorado bem informado, essencial para a tomada de decisões conscientes nas urnas.

Em resposta a esses desafios, tem-se observado um esforço conjunto entre plataformas de mídia social, organizações de checagem de fatos, instituições governamentais e a sociedade civil para combater as fake news, através da educação midiática, verificação de fatos e regulação das plataformas digitais. 

Essas iniciativas buscam restaurar a integridade do processo democrático e assegurar que a informação verídica e confiável prevaleça no discurso público.

Justamente por isso, o RCWTV preparou um guia de como identificar fake news. 

Verifique sempre a fonte da informação

A primeira linha de defesa contra as fake news é a verificação da fonte. Muitas vezes, informações falsas são disseminadas por sites conhecidos por publicar conteúdos duvidosos ou por perfis falsos nas redes sociais. 

Antes de confiar em uma informação, investigue a reputação da fonte. Sites oficiais, veículos de imprensa respeitáveis e publicações acadêmicas são geralmente mais confiáveis. Além disso, verifique se outros sites confiáveis também estão reportando a mesma história.

Confira a data de publicação para evitar notícias desatualizadas

Notícias desatualizadas frequentemente ressurgem como se fossem atuais, causando confusão e desinformação. Verificar a data de publicação ajudará a identificar se a informação é relevante ou se foi tirada de contexto.

 Uma notícia verdadeira, mas antiga, pode não ser aplicável ao cenário atual, sendo utilizada para distorcer a realidade.

Analise a credibilidade do autor ou veículo

A credibilidade do autor ou veículo que publica a informação é um indicador importante da confiabilidade da notícia. Autores e veículos com histórico de precisão e imparcialidade são geralmente fontes confiáveis. 

Pesquise sobre o autor ou veículo: eles são conhecidos por um jornalismo rigoroso e ético? Eles têm uma agenda política ou ideológica evidente? Responder a essas perguntas pode ajudar a avaliar a credibilidade da informação.

Cruze informações com múltiplas fontes confiáveis

Uma única fonte de informação pode não ser suficiente para estabelecer a verdade. Por isso, deve-se cruzar informações, consultando múltiplas fontes confiáveis. Se apenas uma fonte reporta uma história, enquanto outras não, isso pode ser um sinal de que a informação não é confiável. Diversificar suas fontes de informação ajuda a obter uma visão mais completa e precisa dos fatos.

Ao aplicar essas dicas na avaliação das informações que consumimos, podemos nos proteger contra a desinformação e contribuir para um ecossistema de mídia mais saudável. 

É importante lembrar que todos temos um papel a desempenhar na luta contra as fake news, exercendo nosso senso crítico e compartilhando informações de maneira responsável.

Esteja atento a sinais de parcialidade ou intenção

A objetividade é um pilar do jornalismo, mas as fake news frequentemente revelam uma intenção ou parcialidade clara, visando manipular a opinião pública ou desacreditar certos indivíduos, grupos ou ideias. 

Notícias que parecem excessivamente tendenciosas, usam linguagem emotiva para provocar uma resposta forte ou claramente favorecem um lado de um debate político ou social devem ser vistas com ceticismo. Analisar o equilíbrio da cobertura e a presença de linguagem neutra pode ajudar a identificar possíveis informações falsas.

Utilize ferramentas de checagem de fatos

Com o aumento das fake news, surgiram várias organizações dedicadas à checagem de fatos. Ferramentas como Snopes, FactCheck.org, e Agência Lupa, entre outras, especializam-se em investigar a veracidade de histórias e declarações públicas. 

Antes de aceitar uma informação como verdadeira ou compartilhá-la, vale a pena verificar se ela foi analisada por uma dessas organizações. Essas ferramentas são úteis para esclarecer dúvidas sobre a autenticidade de determinadas histórias ou declarações.

Evite replicar informações sem confirmação

A rapidez com que as informações são compartilhadas nas redes sociais contribui significativamente para a disseminação de fake news. Antes de compartilhar uma história, é necessário verificar sua veracidade. 

Repassar informações sem confirmá-las contribui para o problema da desinformação. Tomar o hábito de verificar as informações antes de compartilhá-las pode reduzir significativamente a propagação de notícias falsas.

Questione narrativas sensacionalistas ou alarmistas

Notícias falsas muitas vezes recorrem a títulos sensacionalistas ou conteúdos alarmistas para atrair atenção e engajar emocionalmente o leitor. Títulos que prometem revelações chocantes ou que utilizam muitas maiúsculas, pontos de exclamação e linguagem provocativa podem ser indicativos de fake news. 

A intenção é provocar um clique impulsivo ou compartilhamento sem uma análise crítica do conteúdo. Questionar o propósito sensacionalista e verificar a informação por meio de fontes confiáveis pode ajudar a discernir a verdade.

Desconfie de imagens ou vídeos sem contexto

Na era digital, imagens e vídeos podem ser facilmente manipulados ou tirados de contexto para apoiar uma narrativa falsa. Fake news frequentemente utilizam conteúdo visual dessa maneira, contando com o impacto imediato das imagens para convencer o público. 

Ferramentas de busca reversa de imagens, como o Google Imagens, permitem verificar a origem de uma foto ou vídeo. Desconfiar de conteúdo visual que parece incongruente com a história ou que é apresentado sem um contexto claro é fundamental para evitar ser enganado por tais táticas.

Aplicando essas estratégias no dia a dia, os consumidores de notícias podem se tornar mais adeptos a identificar e evitar a desinformação. O desenvolvimento de um senso crítico é indispensável na era da informação, onde a verdade muitas vezes se encontra enterrada sob camadas de conteúdo não verificado ou intencionalmente falso. 

A responsabilidade pela disseminação de informações confiáveis é compartilhada por todos, exigindo vigilância constante e um compromisso com a verdade.

Pesquise o histórico de veracidade do veículo

A credibilidade de um veículo de comunicação é fundamental para determinar a confiabilidade das informações que ele divulga. Um histórico de precisão e imparcialidade sugere que o veículo é uma fonte confiável, enquanto um histórico de distorções ou notícias falsas é um sinal vermelho. 

Verificar o passado do veículo pode ser feito através de uma pesquisa simples na internet, procurando por análises ou críticas sobre sua cobertura. Veículos com boa reputação geralmente se esforçam para manter altos padrões jornalísticos.

Duvide de informações que só circulam em redes sociais

Informações que não são reportadas por veículos de comunicação estabelecidos e que circulam exclusivamente nas redes sociais devem ser recebidas com ceticismo. 

As redes sociais são terreno fértil para a disseminação de fake news, pois o conteúdo compartilhado ali frequentemente carece de verificação. Antes de aceitar uma informação como verdadeira, procure por sua presença em fontes de notícias confiáveis que seguem protocolos rigorosos de fact-checking.

Verifique o URL de sites suspeitos por falsificação

Muitas fake news são disseminadas por sites que imitam veículos de notícias legítimos, mas com URLs ligeiramente modificados. Esses sites falsos podem conter erros ortográficos sutis ou usar domínios de nível superior diferentes (por exemplo, “.com.co” em vez de “.com”).

 Verificar o URL pode ajudar a identificar sites de notícias falsas criados para enganar o público. Além disso, o uso de HTTPS em vez de HTTP pode ser um indicativo de maior segurança e credibilidade, embora não seja infalível.

Atenção a erros gramaticais ou de formatação em publicações

Publicações repletas de erros gramaticais, ortográficos ou de formatação muitas vezes indicam uma falta de profissionalismo e podem ser um sinal de que a informação não é confiável. 

Veículos de comunicação respeitáveis têm processos de revisão e edição para garantir que seus conteúdos sejam claros e precisos. Erros frequentes podem sugerir que a fonte não segue práticas jornalísticas rigorosas ou que está deliberadamente tentando desinformar.

Use fontes oficiais ou institucionais para confirmar dados

Para informações específicas, especialmente aquelas relacionadas a estatísticas governamentais, saúde pública, políticas e outras áreas críticas, recorra sempre a fontes oficiais ou institucionais. 

Sites governamentais, organizações internacionais e instituições acadêmicas são fontes primárias que oferecem dados e informações verificados. A confirmação de dados através dessas fontes ajudará a validar ou refutar as informações encontradas em outros lugares.

Mantenha-se informado sobre técnicas comuns de desinformação

Conhecer as estratégias frequentemente usadas para disseminar fake news pode ajudar a identificá-las mais facilmente. Dessa forma, inclui táticas como o uso de títulos sensacionalistas para atrair cliques, a manipulação de imagens ou vídeos, a criação de conteúdo que explora emoções fortes e o uso de declarações fora de contexto. 

Estar ciente dessas técnicas e abordar as informações com um olhar crítico é essencial para não cair em armadilhas de desinformação.

Essas são as principais dicas para jornalistas que desejam lutar contra a Fake News! E, claro, lembre-se que se trata de um processo constante. 

Comentários:
A Notícia em Primeira Mão .

Publicado por:

A Notícia em Primeira Mão .

Portal de notícias criado em novembro de 2020 para informar a população sobre acontecimentos da cidade de Juiz de Fora e região.

Saiba Mais
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )