Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Economia

Abrasel-MG se manifesta contrária ao aumento da alíquota de ICMS que irá aumentar o preço de cervejas

Estimativa aponta que o projeto de lei que eleva o ICMS provocará reajuste de 10% a 12% no preço de cervejas e bebidas não alcóolicas

Paulo Rassa
Por Paulo Rassa
/ 270 acessos
Abrasel-MG se manifesta contrária ao aumento da alíquota de ICMS que irá aumentar o preço de cervejas
Veloso de Melo
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O Projeto de Lei (PL) 1.295/23, do governador Romeu Zema (Novo) foi aprovado na última terça-feira, e elevou em dois pontos percentuais o ICMS de produtos considerados supérfluos. Isto causará um impacto de 10% a 12% no preço pago pelos consumidores pela cerveja, refrigerantes, bebidas isotônicas e bebidas energéticas. Para a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, aumentar a taxa de impostos sobre a cerveja e o refrigerante, os produtos mais consumidos no setor, é prejudicar quase 170 mil empreendimentos em todo o estado.

Leia Também:

Oswaldo Júnior, presidente da identidade destaca que além de afetar os bares e restaurantes de Minas Gerais, esta decisão tende a favorecer um mercado ilegal que, oferece produtos que prejudicam a saúde do cliente. “É importante considerar também que o imposto, sem o aumento, já é maior do que nos estados vizinhos, o que pode gerar fuga de investimentos, causando preocupação em todo setor. Além disso, a carga tributária do ICMS da cerveja, por exemplo, vai impactar toda a cadeia produtiva, que gera cerca de 100 mil empregos diretos, indiretos e induzidos em Minas” afirma.

A Presidente da Regional Zona da Mata, Francele Galil, ressalta que “Em Juiz de Fora o impacto será ainda maior, uma vez que a cidade é um polo de produção de cervejas artesanais”. Segundo ela a cerveja e os refrigerantes são produtos essenciais para a operação do setor de alimentação fora do lar, que ainda procura se recuperar da pandemia. “Ficamos fechados por meses, contraímos empréstimos e ainda estamos tentando quitar essas dívidas. E mesmo assim continuamos a ser o setor que mais gera emprego e renda. Precisamos contar com o auxílio do poder público para continuar movimentando a cadeia produtiva. E aumento de impostos definitivamente não é a resposta”, avalia Galil.

Karla Rocha, conselheira da Abrasel-MG, ressalta ainda que, de acordo com as últimas pesquisas da Abrasel, 45% das empresas do estado ou operam no prejuízo( 13%) ou em equilíbrio ( 32%). “Muitas das empresas até registam um bom faturamento, mas não registram lucro porque o dinheiro é utilizado para quitar as dívidas contraídas durante a pandemia. Desde aquela época esperamos do poder público apoio ao segmento que está prestes a viver um colapso e é um dos maiores empregadores do nosso estado, mas esse auxílio não chegou, muito pelo contrário”, afirma a Conselheira se referindo à nova carga tributária.

 

Mantenha seus amigos informados... Compartilhe esta matéria!

Acesse o nosso site 

https://www.rcwtv.com.br/ 

 

Receba notícias da RCWTV no Whatsapp e fique por dentro das principais notícias que movimentam o nosso site! Participe do nosso grupo: https://chat.whatsapp.com/EeSJvQx8kVA3J3kMmSevMw

 

Curta e siga nossas redes sociais

#noticiasdejuizdefora, #juizdefora, #rcwtv, #noticiasminasgerais, #pjf, #notíciasemjuizdefora, #notíciasemminasgerais, #noticiasmg

 

 

FONTE/CRÉDITOS: Abrasel - MG
Comentários:
Paulo Rassa

Publicado por:

Paulo Rassa

Doutor em Educação (PUCMinas); Mestre em Gestão Social ( UNABH); Especialista em Treinamento Esportivo (Gama Filho, RJ). Licenciado e Bacharel em Educação Física. Técnico de Futebol de Campo e Futsal. Jornalista

Saiba Mais
rcwtv
rcwtv

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )