Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Terça-feira, 21 de Maio de 2024
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Geral

Entrevista com Alexandre Müller Hill Maestrini

Nossas Riquezas Pretas Juiz de Fora

Redação
Por Redação
/ 161 acessos
Entrevista com Alexandre Müller Hill Maestrini
Alexandre Müller Hill Maestrini
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Desde 2023 o escritor Alexandre Müller Hill Maestrini, professor de alemão do Instituto Autobahn, vem entrevistando negros e negras de destaque na sociedade Juizforana e a redação do Canal RCWTV entrevistou em primeira mão o autor da série Nossas Riquezas Pretas Juiz de Fora.

RCWTV - Maestrini, como surgiu essa ideia da série Nossas Riquezas Pretas Juiz de Fora?
AMHM - Desde 2015 vinha estudando a questão da imigração alemã em Juiz de Fora para lançar meu livro Franz Hill - Diário de um imigrante alemão em Juiz de Fora (foto de capa). Nas minhas pesquisas no Arquivo Histórico de Juiz de Fora me deparei com um número 20 vezes maior de africanos trazidos para nosso município, em comparação com a tão falada imigração alemã. Por isso desde então, eu, como um branco, me vi diante de um cenário que não correspondia com o que eu tinha aprendido na escola. Decidi investigar a representatividade dos negros nos cargos mais altos do município e me deparei com a fala: "não tem mais negros nos cargos de poder, pois não temos negros preparados". Este fato me irritou profundamente e quiz saber se realmente Juiz de Fora não tinha gente preta preparada para assumir posto de comando no executivo, legislativo e judiciário. Para minha surpresa fui encontrando cada vez mais negros incrivelmente preparados. Mas ainda precisamos fazer muito mais.
RCWTV - Por que escolheu o formato de entrevistas?
AMHM
- Inicialmente comecei a procurar por negros e negras de destaque para pode conversar e escutar as histórias familiares e suas trajetórias. Diante de tanta riqueza de detalhes das primeiras conversas, e na maioria fatos que até então eu desconhecia, resolvi lançar uma série de reportagens no formato de BLOG para registrar essas Nossas Riquezas Pretas de Juiz de Fora.  Inicialmente não pensei que seriam tantas, achava que seriam poucas histórias, mas me surpreendi e hoje já são mais de 40 histórias incríveis. Conheci advogados, jornalistas, médicos, dentistas, cantores, professores, políticos, religiosos, mas infelizmente ainda não tivemos um prefeito negro na nossa história, nem mesmo uma vereadora negra. Nas minhas buscas por entrevistados percebi que lamentavelmente nunca tivemos um representante negro ou negra de Juiz de Fora na capital do Estado ou em Brasília. Por isso decidi fazer a minha parte e deixar esse legado, para que nunca mais em nossa cidade se diga que não temos negras e negros capacitados.

RCWTV - Qual a importância de um branco escrever sobre antirracismo?
AMHM - Esse tema é vital para todos nós que sonhamos com um Brasil melhor. Precisamos corrigir a herança perversa da escravidão, e isso deveria ser do interesse de todos os brasileiros, independe da cor da pele. Eu acredito que a mudança deve começar pelos brancos, que sempre gozaram de todos os privilégios e oportunidades. Temos que falar mais sobre isso em Juiz de Fora e no Brasil. Quando ando pela cidade vejo jovens negros pedindo comida e vendendo algo para sobreviver, em trabalhos parecidos com os da época da escravidão. Como são os brancos que tem o poder da caneta hoje em dia, acredito sim que somos nós, a parte da sociedade branca e latina, que precisa acordar, aceitar que há injustiças e buscar corrigir para um caminho em direção a uma sociedade antirracista onde realmente todos os brasileiros e brasileiras terão as mesmas oportunidades ao nascer.
RCWTV - Como era a escravidão na nossa região antes da abolição?
AMHM - A Abolição da Escravatura foi um dos acontecimentos mais marcantes da história do Brasil e determinou o fim da escravização dos negros no Brasil. A abolição do trabalho escravo ocorreu por meio da Lei Áurea, aprovada no dia 13 de maio de 1888 com a assinatura da regente do Brasil, a princesa Isabel. Em Juiz de Fora não foi diferente, o Município de Juiz de Fora era o terceiro mais escravocrata do Brasil, atrás somente de Salvador e Rio de Janeiro. A economia local baseada no café era umbilicalmente dependente da mão de obra de seres humanos escravizados. Hoje temos em Juiz de Fora mais de 50% dos habitantes que se declaram negros ou pardos, sem contar que outra grande parte se declara branca, porém vemos que nossa mistura é latina e deveríamos aproveitar essa riqueza que é miscigenação bem oportunizada.
RCWTV - O que o Brasil perde com o racismo?
AMHM
- Todos nós brasileiros e brasileiras estamos perdendo. Nossos presídios estão lotados de jovens negros e periféricos. Eu imagino quantos presidentes, prêmios Nobel, prefeitos, vereadores e juízes poderiam ser descobertos, mas estão nessa situação porque o país nunca ofereceu oportunidades. O número de pretos em universidades e em cargos-chave vem crescendo, mas ainda são minoria. Estamos desperdiçado nossa maior riqueza que são os seres humanos com suas infinitas capacidades. Só para termos uma ideia, o Brasil nunca ganhou um Prêmio Nobel. A Argentina tem 5; o Chile, a Guatemala e a Colômbia tem 2 cada, e o México tem 3. Um prêmio desses poderia ter saído da cabeça de um dos mais de 50% de brasileiros negros que até hoje nem oportunidade de estudar tiveram. Infelizmente ainda hoje aprendemos nas escolas que a maior influência que temos no Brasil é de origem européia, mas isso não é verdade, a maior influência que temos é africana e dos descendentes dos africanos que chegaram no país desde a colonização. Não reconhecer essa riqueza e tratá-la como fardo é uma perda irreparável por gerações. Precisamos conhecer mais a África e sua história para nos entendermos como povo brasileiro.
RCWTV - Como você vê hoje o racismo em Juiz de Fora?
AMHM - Existe hoje um contra-senso deliberado do branco que escreveu nossa história local e um desconhecimento do passado negro do município, que teve sua população formada por 60% de negros e escravizados e libertos. O racismo estrutural está entranhado dentro do capitalismo, pois este se baseia e sustenta na desigualdade e para existir precisa manter essas desigualdades. Não acredito que o problema seja econômico, na verdade a desigualdade sustenta o capitalismo e este retroalimenta a desigualdade. Será necessário trabalhar nos dois lados para reverter o arraigado racismo entranhado na nossa estrutura social. Eu particularmente vejo a influência africana com encantamento e pluralidade de experiências, que formou nosso Brasil. Infelizmente Juiz de Fora ainda insiste em se auto-declarar uma cidade baseada na imigração alemã. Na minha opinião nosso município é um pequeno pedaço da bela África incrustada como uma pérola, pronta para ser descoberta e gerar riquezas.
RCWTV - Como foi o processo das entrevistas e a aceitação?
AMHM
- No início houve um pouco de desconfiança, que eu considero natural, pois desde 1500 os brancos vem subjugando e tutelando a gente preta. Nada mais natural que quando apareça algum branco estendendo a mão e querendo participar desse movimento antirracista, os negros fiquem desconfiados. Mas depois que consegui escrever umas quatro reportagens, os negros e negras que contatei se abriram pra mim. Foi como uma catarse coletiva, eu aprendendo cada vez mais, abrindo minha cabeça para a visão do outro lado do espelho. Já os entrevistados se viram na oportunidade de mexer num passado que nem sempre foi sem dor. Por sorte conseguimos uma química entre entrevistados e entrevistador, que mostraram lindas histórias familiares de superação e sucesso. Teve alguns que eu convidei logo no início, mas que só depois de umas 20 reportagens perderam a desconfiança. Frente aos mais de 500 anos de perversidade, acho que atingimos juntos um objetivo comum e hoje me sinto de mãos dadas para concluirmos de vez a Abolição Inacabada de 1888.
RCWTV - O que você percebeu em suas entrevistas?
AMHM - O mais triste que percebi foi o sofrimento do povo preto para sobreviver nessa selva chamada Brasil. Pude ver claramente os traços da perversidade da abolição que não foi pensada até o fim. Ainda hoje temos os mesmos abandonados pelas ruas, não concluímos uma reparação e acolhimento daqueles abandonados pela Princesa Isabel na frente das porteiras das fazendas. Outro fator doloroso que senti foi a tentativa das classes dominantes de não permitirem que pessoas pretas tenham mobilidade social. Em diversos aspectos dá para ver isso claramente. Por exemplo ainda temos muito jovens ricos e de pele mais branca acessando a universidade pública gratuita; na contramão, aqueles que estudaram em escola pública e tiveram que trabalhar para sobreviver acabam tendo que ir para uma faculdade particular, acabam se endividando no FIES e saem da universidade com uma dívida a pagar. O que desejo despertar com as entrevistas é que precisamos de equidade, isto é, quem tem mais recebe menos, quem tem menos recebe mais. Sem essa política de reparação em todos os níveis, levaremos muitas décadas para sermos uma verdadeira nação.
Receba notícias da RCWTV no Whatsapp e fique bem informado!

 

 

Publicidade

Leia Também:

 

FONTE/CRÉDITOS: Alexandre Müller Hill Maestrini
Comentários:
Redação

Publicado por:

Redação

Portal de notícias criado em novembro de 2020 para informar a população sobre acontecimentos da cidade de Juiz de Fora e região.

Saiba Mais
rcwtv
rcwtv

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )