Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Quarta-feira, 17 de Abril de 2024
rcwtv
rcwtv

Região

MPMG requer que justiça diminua a remuneração de administradores judiciais para a recuperação das 123 milhas

A instituição ainda pede que um dos administradores judiciais nomeados para o processo seja declarado suspeito e substituído

Simone Carvalhal
Por Simone Carvalhal
MPMG requer que justiça diminua a remuneração de administradores judiciais para a recuperação das 123 milhas
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) apresentou recurso contra a decisão judicial que determinou a recuperação judicial da 123 Milhas,este  com o objetivo de reduzir o valor da remuneração arbitrada em favor dos administradores judiciais nomeados. O Agravo de Instrumento foi impetrado pela 3ª Promotoria de Justiça Empresarial de Belo Horizonte. 

Na decisão, a Justiça concedeu o percentual de 4% sobre o valor do passivo aos administradores judiciais, dois escritórios de advocacia. Tendo em vista o passivo da empresa declarado girar em torno de quase 1 bilhão seiscentos e dois milhões de reais ,o percentual de 4%, para o MPMG, representa elevada quantia:  quase sessenta e cinco milhões, o que fere os princípios da razoabilidade e proporcionalidade. “O valor causa perplexidade ao Ministério Público, uma vez que o ativo declarado pelas devedoras, conforme relação de bens de direitos apresentada, mostra-se insignificante em relação às suas dívidas, gerando dúvidas sobre a viabilidade do pedido de recuperação judicial”, diz trecho do agravo. 

Para o MPMG, a recuperação judicial da 123 Milhas já conta com uma imensa gama de credores, que já será certamente prejudicada com o pedido em face da precariedade econômica da empresa. “Não é justo e razoável que, mesmo assim, os administradores judiciais recebam quantia tão elevada em detrimento da situação lastimável em que a empresa deixou seus clientes e sua própria economia” 

Leia Também:

Dessa forma, o recurso ressalta que o elevado passivo declarado inicialmente pela empresa, o qual, com certeza, será ainda aumentado, deve ser levado em consideração para a fixação da remuneração dos administradores judiciais em percentual mais baixo, de forma a não onerar excessivamente a empresa, sacrificar os credores e o próprio instituto da recuperação judicial. 

“Diante da gravíssima crise financeira ora retradada, do reduzido ativo, do expressivo montante do passivo e da falta de perspectiva de retomada de suas atividades, resta claro que a recuperanda não demonstra a menor possibilidade de arcar com o pagamento da remuneração ora arbitrada em favor dos administradores judiciais, ao menos no patamar estabelecido”, afirma o MPMG. 

Além disso, no recurso, a instituição destaca que a remuneração fixada destoa, inclusive, do mercado comum de trabalho, sendo inegável que a contrapartida remuneratória no valor de R$64.058.592,14, dividia em 60 parcelas de R$ 1.067.643,20, extrapola qualquer teto remuneratório similar e fere os princípios da razoabilidade e proporcionalidade. 

O MPMG defende que com um valor máximo de R$2 bilhões , o percentual remuneratório de 1%, ou, caso exceda o passivo o patamar estabelecido”, afirma o MPMG. ou, caso exceda o passivo o patamar de R$2 bilhões (mas não supere os R$3 bilhões), que o percentual remuneratório seja então reduzido para 0,8%, e que seja então aplicada mais uma redução para o percentual de 0,7%, de forma regressiva assim por diante. 

Suspeição de administrador

A 3ª ª Promotoria de Justiça Empresarial de Belo Horizonte também ajuizou pedido de declaração de suspeição de um dos administradores judiciais nomeados na recuperação judicial da 123 Milhas. Segundo o MPMG, ele teria sido assessor de um dos advogados da empresa, tendo se estabelecido, naquela época, uma relação de hierarquia entre as partes, o que retiraria a isenção necessária para a prática de suas funções fiscalizatórias no processo. 

“A importância do administrador judicial como fiscal do juiz na recuperação judicial é tamanha que a necessidade de sua isenção exige que o magistrado pondere as características de cada candidato a fim de garantir a sua imparcialidade e independência”, diz trecho do documento. 

Para o MPMG, a função do administrador judicial de auxiliar da Justiça jamais poderá pairar dúvidas quanto à sua atuação funcional, especialmente no caso da 123 Milhas, com elevado grau de repercussão nacional. “A função do administrador judicial há de ser imparcial e sua nomeação fundada em requisitos absolutamente indenes de quaisquer dúvidas quanto à sua independência. Infelizmente, não é isto que se vê dos autos”. 

Assim, o MPMG requer que um dos administradores nomeados seja declarado suspeito e, consequentemente, substituído. 

A empresa, fundada em 2016 em Belo Horizonte, surgiu como uma intermediadora entre pessoas que queriam vender milhas e clientes que estavam em busca de passagens de avião mais baratas. Anos depois, a 123Milhas passou a oferecer também opções de reservas de hotéis, pacotes de viagens, aluguel de carro e seguro viagem.  
 

 

 

 

Gostou da matéria? Compartilhe com os amigos!

Acesse o nosso site

https://www.rcwtv.com.br/

Receba notícias da RCWTV no Whatsapp e fique por dentro das principais notícias que movimentam o nosso site! Participe do nosso grupo:
https://chat.whatsapp.com/EeSJvQx8kVA3J3kMmSevMw

Curta e siga nossas redes sociais!

Comentários:
Simone Carvalhal

Publicado por:

Simone Carvalhal

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.

Saiba Mais
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )