Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2024
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Política

Grupo de Trabalho sobre violência nas escolas aprova relatório com sugestões para combater o problema

Deputados aprovaram quatro sugestões de projetos de lei e seis indicações ao Poder Executivo; com a votação, o grupo encerrou os trabalhos

Redação
Por Redação
Grupo de Trabalho sobre violência nas escolas aprova relatório com sugestões para combater o problema
Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Depois de quatro meses de atuação, o Grupo de Trabalho sobre violência nas escolas apresentou uma série de sugestões para orientar o poder público no combate ao problema. Juntamente com o relatório da deputada Luisa Canziani (PSD-PR), o colegiado aprovou quatro sugestões de projetos de lei e seis indicações ao Poder Executivo.

Conforme explica a relatora, o documento traz uma série de proposições votadas a diferentes áreas envolvidas no combate à violência escolar.

“Temos elementos da segurança pública, da assistência social, da educação, da psicologia, enfim, diversas vertentes que foram trazidas para que a gente pudesse elaborar esse relatório", disse a deputada. "Esse relatório significará efetividade para a gente nortear gestores educacionais, para a gente nortear e também apoiar o Poder Executivo na implementação de políticas públicas e, por fim, para a gente nortear o Congresso Nacional para medidas legislativas necessárias para promover esse ambiente mais seguro e de mais oportunidades para todos”, completou.

Publicidade

Leia Também:

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
O grupo sugere a criação da Política Nacional de Combate à Violência em Âmbito Escolar

Recursos Um dos pré-projetos apresentados cria a Política Nacional de Combate à Violência em Âmbito Escolar. Pelo texto, o governo deverá investir 5% dos recursos do fundo nacional de segurança pública em ações de proteção e segurança das escolas.

A proposta também sugere o pagamento de uma pensão especial (um salário mínimo mensal) a estudantes, professores e demais profissionais da educação vítimas de incidentes em escolas. No caso de óbito, conforme a medida, a pensão deverá paga a pais, irmãos, cônjuges, companheiros, dependentes ou herdeiros necessários.

Provedores de internet Outra sugestão de projeto de lei estabelece medidas a serem adotadas por provedores de internet. A proposta prevê, por exemplo, que as empresas deverão monitorar conteúdos impulsionados ou publicitários que possam caracterizar violência em âmbito escolar ou façam apologia e incitação a esses atos.

Os provedores também terão de remover de forma imediata, após notificação, conteúdos que caracterizem ou estimulem a violência em âmbito escolar.

Caso não cumpram essas determinações, as empresas terão responsabilidade solidária no caso da ocorrência de crimes.

Saúde mental Consta ainda entre as medidas propostas o aumento em 5% do número de psicólogos e assistentes sociais contratados na rede pública de ensino básico até o final do novo plano nacional de educação, em 2034. De acordo com o relatório, problemas psicológicos e relacionados à saúde mental são relativamente comuns entre os perpetradores de ataques.

Segurança e capacitação para emergências Os deputados do grupo de trabalho ainda fizeram outras sugestões, como a adoção de medidas de segurança nas escolas. Também sugerem ao Governo Federal que estabeleça protocolos e planos de contingência de incidentes de violência na rede de ensino para servirem de orientação os estados e municípios.

O grupo ainda sugere que a União estimule os demais entes federados a tomarem medidas como a criação de centros capacitados para lidar com emergências e de laboratórios digitais de prevenção e combate a crimes no ambiente escolar.

Senado Na opinião do deputado Tarcísio Motta (Psol-RJ), embora não esgotem o assunto, as medidas sugeridas pelo grupo são um passo importante para o combate à violência no âmbito escolar.

“Não vai resolver todos os problemas, mas o relatório é um passo decisivo e importante daquilo que a gente já devia ter feito. Esperamos que o Senado Federal dê prosseguimento a isso, que o MEC, o Ministério da Justiça o Governo Federal deem prosseguimento a isso, associados às várias outras iniciativas que aconteceram. São iniciativas legislativas, na minha opinião, muito positivas”, afirmou.

O coordenador do grupo, deputado Jorge Goetten (PL-SC), relatou que o presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco, se comprometeu “a cuidar pessoalmente” do andamento das medidas aprovadas pelo grupo na Câmara quando chegarem à Casa revisora.

O grupo de trabalho sobre violência nas escolas foi criado em julho deste ano, em virtude principalmente do ataque à creche Cantinho Bom Pastor, em Blumenau (SC), no dia 5 de abril. Com a aprovação do relatório, o grupo encerrou os trabalhos.

FONTE/CRÉDITOS: Agência Câmara Notícias
Comentários:
rcwtv
rcwtv

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )