RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região - noticias , juiz de fora , rcwtv

Notícias Cidade

Substância tóxica encontrada em corpo de PM que bebeu cerveja é solvente

Químico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) esclareceu que dimetil glicol, encontrado no corpo do PM de Juiz de Fora, não é a mesma substân

Substância tóxica encontrada em corpo de PM que bebeu cerveja é solvente
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Químico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) esclareceu que dimetil glicol, encontrado no corpo do PM de Juiz de Fora, não é a mesma substância que o dietilenoglicol: entenda quais são as diferenças

 

Dimetil glicol é o nome da substância química encontrada na biópsia renal de Antônio Paulo dos Santos, 61, militar aposentado morto na última quinta-feira (27) com quadro de insuficiência renal em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Órgãos municipais, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) investigam se o ex-militar foi contaminado por ingestão de dois latões de uma cerveja produzida em fábrica no município de Cláudio, na região Centro-Oeste do Estado. 

O composto químico é corriqueiramente usado em indústrias como solvente, e não há registros de aplicação da substância como líquido para refrigeração, como esclareceu o professor Luiz Cláudio de Almeida Barbosa, do departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O docente explicou também que o dimetil glicol encontrado nos rins de Antônio Paulo dos Santos, 61, não é igual ao dietilenoglicol. A segunda substância foi usada pela Cervejaria Backer nos tanques de refrigeração, e um furo no recipiente provocou a contaminação da bebida alcoólica – 29 pessoas foram intoxicadas pela cerveja entre 2019 e 2020, e 11 delas morreram segundo inquérito da PC. 

"Dentre as aplicações industriais para o etilenoglicol dimetil éter (também denominação química do dimetil glicol) destacam-se a produção de ingredientes ativos, solvente eletrolítico para baterias, corrosão de placas de circuito impresso e tratamento de superfícies de alumínio", citou. "Não existe menção do uso dessa substância como fluido para refrigeração. O fato do artigo científico (pesquisado pelo professor) não mencionar esse uso, não descarta essa possibilidade", ponderou o químico. 

O dimetil glicol é um líquido incolor e que pode ser misturado em água, como também detalhou o professor Luiz Cláudio. Em outro artigo igualmente consultado pelo docente da UFMG, a substância é citada como parte do processo para produção de resina epóxi, tintas, impressão a jato de tintas, corantes, esmaltes e até removedores de esmaltes.

Em relação à toxicidade do dimetil glicol para o organismo humano não há muitas indicações científicas, e, de acordo com o professor, em artigo por ele consultado são mencionados efeitos como irritação e infertilidade. "Os efeitos tóxicos para o dimetil glicol não são bem documentados, exceto alguns dados com animais, que indicam que o vapor do composto é irritante ao sistema respiratório, para a pele e para os olhos. Segundo o autor, o composto pode causar infertilidade e danos ao feto", alertou. 

Investigação

Amostras da cerveja consumida pelo ex-militar Antônio Paulo dos Santos foram recolhidas pela Vigilância Sanitária de Juiz de Fora, e encaminhadas para análise na Fundação Ezequiel Dias (Funed) em Belo Horizonte. Segundo a instituição, o material foi repassado à Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG). 

Mapa não vê relação entre cerveja e morte de PM 

Em nota nessa terça-feira (1º) o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) disse que, por enquanto, não vê relação direta entre a ingestão da cerveja da marca Brussels, que foi consumida pelo militar, e a morte dele. "Até o momento não há evidência no caso em questão que estabeleça relação direta do óbito com o consumo do produto. Portanto, ainda não se justifica uma ação de fiscalização", ponderou o órgão.

Também por meio de nota, a cervejaria responsável pela Brussels negou o uso de dimetil glicol na produção de bebidas alcoólicas. Representantes reforçaram que o resfriamento nos tanques de fermentação é feito com Álcool Etílico Potável, como é padrão entre cervejarias artesanais no Brasil.  

FONTE/CRÉDITOS: JORNAL O TEMPO

Todas as publicações e comentários são de total responsabilidade dos autores. As opiniões emitidas não representam o posicionamento da RCWTV. Nosso portal reserva-se o direito de moderar todo o conteúdo expresso, incluindo exclusão de mensagens desrespeitosas, xingamentos, insultos a seus colaboradores e agressões. Caso encontre algum conteúdo que viole nossos termos, denuncie ou entre em contato conosco!

Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!