Anúncios Airlitgh

RCWTV - Sua fonte de notícias de Juiz de Fora e região.

Segunda-feira, 15 de Abril de 2024
https://rezato.com.br/
https://rezato.com.br/

Policial

Ministério Público deflagra a Operação Aquiles

A operação recebeu esse nome em razão da fixação do investigado em fetiches por pés

Ronã Guilherme
Por Ronã Guilherme
Ministério Público deflagra a Operação Aquiles
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Nesta quinta-feira (29), o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate aos Crimes Cibernéticos (Gaeciber) e da 26ª Promotoria de Justiça de Belo Horizonte, com apoio da Polícia Militar de Minas Gerais e da Polícia Civil de Minas Gerais, deflagrou a Operação Aquiles.

O MPMG tomou conhecimento, por meio da mãe de um adolescente, que assédios a alunos estavam acontecendo em grandes colégios particulares de Belo Horizonte. Incluindo pedidos de fotos e videos de atos libidinosos. O autor pagava em pequenos valores via pix para os jovens em troca desses conteúdos. As fotos e vídeos eram, principalmente, focadas em fetiches de podolatria e sadomasoquismo.

Durante a investigação, foi descoberto que o investigado, além de fazer uso das imagens, vende tais fotos e vídeos a terceiros. Há também indícios de que ele atraía jovens para encontros presenciais com o fim de praticar atos libidinosos.

Publicidade

Leia Também:

Após coletas de provas digitais e análises de dados, o autor das mensagens e pagamentos foi rapidamente identificado, deflagrando a operação. Foram apreendidos um telefone celular, computadores, HDs e pen drives. Também foram encontradas fotografias e vídeos de sadomasoquismo e pornografia envolvendo adolescentes.

O homem foi preso em flagrante pela prática do crime do art. 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente e conduzido à delegacia. Dois promotores de Justiça e nove policiais foram parte da operação.

A operação foi denominada Aquiles em razão da fixação do investigado em fetiches por pés. O processo se encontra sob sigilo judicial e terá continuidade com a análise dos dados obtidos para identificação de vítimas e dos demais envolvidos nos crimes. Os pais de alunos que suspeitarem que seus filhos tenham sido vítimas de crimes relacionados a este caso podem procurar o Ministério Público de Minas Gerais.

Os telefones da Ouvidoria do Ministério Público de Minas Gerais são 127 e 3330-9504. A manifestação pode ser feita também pela internet, no portal do MPMG – www.mpmg.mp.br – na seção Atendimento ao Cidadão.

Mantenha seus amigos informados... Compartilhe esta matéria!
 
Acesse o nosso site e receba notícias da RCWTV no Whatsapp. Participe do nosso grupo e fique por dentro das principais notícias que movimentam o nosso site!

Curta e siga nossas redes sociais.

Comentários:
Ronã Guilherme

Publicado por:

Ronã Guilherme

Aluno do curso de Jornalismo da Universidade Estácio de Sá.

Saiba Mais
rcwtv
rcwtv

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )